Em cima da hora:
Motociclista fica ferido após bater de frente com ônibus em Ribeirão Preto
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • Ajude a pequena Maria Alice dar os primeiros passos

    Reportagem: Madson Pamponet / Edição: Danilo Guerra / Foto: Arquivo pessoal


    08/05/2017 às 06:18h
    Recomendar

    Um passo atrás do outro, assim que a vida deve ser, porém muitas pessoas ainda não tiveram a oportunidade de dar nem o primeiro passo, como Maria Alice, com apenas 14 meses, ela nasceu com um encurtamento acentuado nos dois fêmures, impossibilitando a criança de andar e até mesmo engatinhar ou se arrastar. A família encontrou no processo cirúrgico uma solução, mas o procedimento custa cerca de R$150 mil. Para conseguir arrecadar o valor, está realizando uma vaquinha virtual através do endereço.

    A caminha da família começou logo no segundo trimestre da gestação quando foi identificado uma alteração nos exames. “Através da ultrassom morfológica descobrimos que Maria Alice tinha um encurtamento nos dois fêmures e que a nossa princesa seria uma criança de baixa estatura. Ficamos apreensivos por não saber ao certo do que se tratava. No dia 30 de março de 2016 a pequena Alice veio ao mundo com 2,400kg e 36 cm. Logo após fizemos exames de raio x e ultrassom dos membros inferiores e do quadril onde foi diagnosticado como hipoplasia femural bilateral”, contou Fábio Moura, pai da pequena Alice.

    Após o nascimento eles buscaram opiniões de diversos especialistas até que acharam uma possibilidade. “Nós estávamos levando ela pra a rede Saara em Salvador, mas eles não falavam em cirurgia, só faziam o acompanhamento fisioterapêutico, então resolvemos procurar a opinião de outros médicos, porém a maioria dos médicos aqui da cidade não tinham conhecimento sobre o caso, então começamos a pesquisar na internet e encontramos no Rio de Janeiros especialistas no assunto”, disse Fábio.

    O procedimento a ser realizado é conhecido por SUPER HIP, que reconstrói o quadril fêmur e joelho para que a pequena Alice possa andar. “Essa técnica cirúrgica foi desenvolvida na Flórida, e somente três médicos no país trabalham com ela, e de quatro em quatro meses eles vão até lá para se especializar mais sobre o assunto. Essa cirurgia poderá dar a ela a capacidade de andar, e com o tempo de quatro em quatro anos, teremos que fazer mais quatro cirurgias de alongamento ósseo”, explicou Fábio.

    A família viajou até o Rio de Janeiro para realizar uma avalição na clínica CALO (Centro de alongamento ósseo) e tiveram uma consulta com Dr. Rodrigo Mota. A família está recebendo apoio de outros pais na mesma situação. “Através da internet nós conhecemos os pais de um menino que também está realizando este tratamento, e eles se ofereceram para nos hospedar na casa deles lá no Rio de Janeiro, durante a cirurgia e o acompanhamento dela”, informou o pai.

    Como o procedimento não é realizado na rede pública de saúde, a família terá que levantar uma quantia de cerca de R$150 mil, para realizar o procedimento, sendo que a cirurgia só será efetiva se for realizada até os dois anos e três meses, então a família tem pouco mais de um ano para conseguir a quantia. “É muito difícil para nós, pais, olhar para outras crianças e poder vê-la brincando, correndo e andando, e ver nossa filha que não pode nem rastejar, mas temos muita fé em Deus que vamos conseguir realizar essa cirurgia, com a ajuda de todos”, solicitou emocionado o pai de Alice.

    Quem quiser ajudar a garota Maria Alice, além da vaquinha virtual pode fazer um depósito na conta poupança da Caixa Econômica Federal, agência 4023, operação 013, conta 1998/2.



Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia