Em cima da hora:
População detém suspeito de roubar menor no Centro de São Carlos, SP
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • Democracia Racial ou um novo Massacre de Sharperville?


    21/03/2014 às 08:10h
    Recomendar

    Por Railda Neves (*)
     
     
    Em 21 de março de 1960, há exatos 54 anos, ocorria o Massacre de Sharperville na África do Sul. Foram oficialmente. Cerca de 5.000 pessoas participavam de um protesto pacífico contra a lei do Passe, que obrigava os negros a portarem um passe que determinava os espaços por onde os mesmos deveriam circular, a reação do governo foi violenta. Foram oficialmente 69 mortos e 186 feridos. Em 21 de novembro de 1969 a ONU decretou o dia 21 de março domo Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação racial.
     
    O interessante é que no Brasil, onde se vive a suposta democracia racial,mo ano de 2014 já vivenciou situações inadmissíveis de Racismo. Justo o país que sediará a copa do mundo, manifestou casos constrangedores no futebol, e lembrem-se que para muitos jovens o futebol tem sido um sinal de esperança, tem dado o livramento das drogas dentre outras mazelas. Não obstante a isso, o caso Tinga foi um dos primeiros a ser veiculado na grande imprensa, além dele, tivemos o Arouca dos Santos. o árbitro Marcio Chagas que encontrou bananas em seu carro porque os torcedores não gostaram da arbitragem. As jogadoras de futebol feminino de São Francisco do Conde que foram insultadas e agredidas em S.Paulo mesmo tendo perdido a partida.

    Fora do futebol 2014 foi marcado também por cenas literalmente utilizadas na época a escravidão,quando um jovem negro de rua foi acorrentado, despido e surrado em público, tal como se fazia nos troncos da idade moderna,outro jovem de rua, porém de pele clara foi redescoberto pelas lentes das passarelas e foi apresentado, com destaque para seus "belos olhos" como um grande modelo. Porque será que ele teve outras oportunidade e o jovem negro não?

    O ator Vinicius Romão foi preso acusado de roubo apenas por ser negro, manicure Tássia dos Anjos foi rejeitada por australiana por causa da cor da pele. Mulher negra é morta no R.Janeiro de forma repudiante enquanto policiais diziam prestar socorroa vítima.

    Dentre tantos outros casos, em Feira de Santana o frentista José de Souza foi insultado por ser negro,mesmo tendo realizado um gesto de gentileza com a esposa do agressor que não por acaso era de pele dita clara. É, fora as inúmeras situações silenciadas, invisibilizadas, as relações étnicorraciais em nossa sociedade de se revelado profundamente tensa.
    A propósito lembramos Fernando Pessoa quando diz: " De quem é o olhar que espreita por meus olhos?Quando penso que vejo, quem continua vendo enquanto estou pensando?" Nós continuamos a perguntar : quem mais etá conseguindo ver essas manifestações de racismo, de segregacionismo, de um novo estilo de apartheid na sociedade brasileira? Quem não que ver? Sabiamente disse Solano Trindade na poesia " Sou Negro" em minha alma ficou... o desejo de liberdade. Essa liberdade precisa ser construída e a 10.630/03 e a 11.645/08 representa a efetivação dessa liberdade, pois, através delas muitos paradigmas historicamente construídos deverão ser desconstruídos, outros atores sociais deverão ser valorizados, a escola deve ser a esperança da construção de novos tempos em parceira com a família.Quiçá num futuro próximo não tenhamos homens mulheres negras chorando, sofrendo humilhações e preocupados com a dor de seus familiares ao vê-los(as) em situação de subalternidade por conta da melanina. Lamentavelmente vivemos um novo Sharpeville, só que em  diferentes episódios. Valorizemos pois todos os dias como dia de luta pela eliminação da discriminação racial.
     
    (*) Graduada em História pela Uefs, professora da disciplina nas redes pública e privada e mestranda profissional em História da África , da Diáspora e dos Povos Indígenas, na UFRB
     



    Comentários


    24/03/2014 as 14h12m
    Ivannide R. Stª Barbara escreveu:
    É isso, precisamos atentar para o recrudescimento do racismo! Nunca foi menor, mas em alguns momentos na história,parece que há uma necessidade de demonstrar que continuam sem arredar um milímetro do propósito de eliminar até o último elemento negro desse país! Muito boa a matéria, parabéns.
Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia