Em cima da hora:
Família em Barbacena tem casa furtada enquanto viajava
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • Professores em greve preferem pôr seus filhos em escolas privadas


    27/07/2012 às 01:48h
    Recomendar

    Leo Barsan

    [email protected]

    Salas de aula com temperatura de até 38°C, superlotação, alimentação inadequada, falta de professores, banheiros quebrados... Se fosse uma lista de chamada, segundo professores da rede estadual de ensino, esses e outros problemas responderiam “presente” nos colégios públicos da Bahia.

    Na busca para manter seus filhos longe dessas más companhias que influenciam no aprendizado dos estudantes e desacreditados do sistema de ensino atual, integrantes do comando grevista - que mantêm as escolas da rede estadual paradas 108 dias - preferem colocar suas crias em colégios particulares.

     

     “Trabalho 40 horas semanais em escola pública e jamais colocaria meus filhos nela. Quem não faria um sacrifício para dar o melhor ao seu filho?”, argumentou a professora de Matemática Valdice Borges, que participa da organização do movimento.

    O assunto virou motivo de farpas virtuais entre o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Marcelo Nilo, e o presidente da Associação dos Trabalhadores em Educação (APLB), Rui Oliveira.

    No twitter, os docentes provocaram o parlamentar questionando em qual rede de ensino os filhos dele estudam ou estudaram. A alfinetada ocorreu um dia após a desocupação do saguão Deputado Nestor Duarte, sexta-feira passada, onde os professores acampavam desde o dia 11 de abril.

     Nilo respondeu: “Eu estudei em Escola Publica. O filho do Prof Rui estuda na particular”, cutucou no microblog. Um usuário complementou: “O filho de Rui estuda na escola particular como seus filhos estudaram, @depmarcelonilo. Ou a escola pública é boa e vcs gastam $ por hobby?”.

    Procurado pelo CORREIO, o presidente da APLB não quis comentar o assunto. “A minha vida pessoal diz respeito a mim e a minha família. Não é da conta de vocês. Marcelo Nilo é um desqualificado que quer se promover em cima do movimento dos professores”, bradou Rui, no novo QG da categoria – o Colégio Central.

    A professora Valdice concordou com a posição de Rui Oliveira e complementou: “Vendi confecções e perfumaria para manter meus três filhos em colégios particulares. Até falta de água, a gente encara. Se não levar minha garrafa, fico com a garganta seca. Imagine como os alunos não sofrem”, refletiu.

    A coordenadora pedagógica e integrante do movimento grevista, Edenice Santana, afirmou que seus filhos estudaram em escolas públicas por falta de condições financeiras e questionou a qualificação de parte da grade de professores em salas de aula.

    “As escolas estão cheias de Reda (Regime Especial de Direito Administrativo) e estagiários em formação. Quem quer colocar seus filhos numa escola onde a secretaria de Educação deixa faltar tudo?”.

     Mudança 
    O professor de Artes e dirigente sindical da APLB, Paulo Filgueiras, ressaltou as mudanças ocorridas na escola pública como justificativa para manter seu filho na rede privada. “A escola pública se respeitava. a elite – como Marcelo Nilofrequentava esses colégios, que eram de alta qualidade. Quem ia para particular era relapso e incompetente. Era papai pagou, filhinho passou”, recordou.

     Ele ainda matriculou o filho de 17 anos em colégio estadual, mas voltou atrás. “A realidade hoje é outra. Na última hora, minha mulher apelou para que ele não fosse para o ensino público. O pouco dinheiro que ganho é pra pagar a mensalidade”, ressaltou Filgueiras.

     Ele defendeu a criação de um projeto de lei que determine que os filhos de todos os servidores públicos estudem em colégios sob a coordenação do Poder Executivo. “Se existisse, eu seria o primeiro a colocar meu filho”, assegurou.

     Uma das principais interlocutoras do movimento grevista, a professora Vanessa Matos, ainda não é mãe, mas espera que possa ver seus filhos em colégios públicos. “Cada qual escolhe onde seu filho vai estudar. Espero que o meu possa ter acesso a uma educação pública de qualidade. É por essas melhorias que estamos parados mais de três meses”, defendeu.
    O diretor de organização da APLB, José Dias, lembrou que o filho estuda em colégio estadual. “Estou preocupado com o futuro dele, mas não vou tirá-lo da rede pública, apesar de não haver qualidade nos aspectos estruturais e, em certos casos, pedagógicos”, disse.



    Comentários


    28/07/2012 as 21h11m
    ana maria escreveu:
    sabe por que eles não colocam os filhos deles na escola pública? Porque eles sabem os professores que estão na rede não tem compromisso com a educação eles só pensam no salário e digo mais eles estão ganhando muito e ensinando pouco muitos deles estão fazendo que ensinam e os alunos fazendo que aprendem pois os nossos professores estão precisando é de ter mais responsabilidade com a educação e compromisso que eles não tem, muito deles trabalham em escola públia e particular qual das 2 eles tem mais resp.
    04/08/2012 as 00h17m
    Danilo Guerra escreveu:
    Prezada Ana Maria, Muito pertinente seu questionamento. De fato, muitos professores conduzem a educação de maneira irresponsável e descomprometida, o que é lamentável. Todavia, por trás disto, há um sistema insensível que possui um discurso domesticador e ditador desenvolvido por governantes igualmente descomprometidos com a qualidade da gestão educacional no nosso Estado. Esse somando àquele não pode se esperar outra coisa. Isto é lamentável!!!!
Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia