Em cima da hora:
GM investe US$ 500 milhões em rival do Uber
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • Veja a lista de feriados prolongados em 2018


    02.01.2018 09h05m
    Recomendar

    2018 acaba de começar, mas já dá para programar as folgas do ano. Serão 9 feriados nacionais e 5 pontos facultativos, sem contar os feriados estaduais e municipais como o do Dia da Consciência Negra e aniversários das cidades.

    Apenas dois feriados caem no sábado ou domingo. Quatro cairão em sexta-feiras e 2 em segundas-feiras. Cinco datas de folga serão em terças ou quinta-feiras, criando os chamados feriados emendados.



  • Bonfim de Feira realiza neste domingo o enterro do ano mais animado do Brasil

    Reportagem: Danilo Guerra / Professor Repórter
    31.12.2017 00h37m
    Recomendar

    Os moradores do distrito de Bonfim de Feira (a 35 km de Feira de Santana) têm um jeito singular de se despedir do ano velho. Por lá, há 23 anos é realizado o enterro do ano mais animado do Brasil.

    O evento faz parte da programação oficial do Réveillon Público realizado pela comunidade desde os anos finais da década de 1970, sempre no dia 31 de dezembro, com o tradicional Enterro do ano.

    De acordo com o presidente da Comissão Organizadora Gilmário Moreira da Silva, o popular Gil Boca de Traíra, três elementos básicos não podem faltar nessa celebração: "caixão, defunto (que, na verdade, é um bonfinense que homenageamos) e muita festa", disse em entrevista ao jornalista Danilo Guerra, durante visita à Redação do jornal Folha do Estado.

    Borracheiro: o homenageado do ano

    O velório acontece à meia-noite, depois da celebração de uma missa agendada para começar às 22 horas. O grande homenageado do ano é Borracheiro, um dos membros da comissão que comanda a festa.

    O cortejo fúnebre mais cheio de vida e alegria que já se viu na história brasileira percorrerá as principais ruas do distrito ao som do grupo de sambadores da Terra Nova, Bio, Atanázio, Del e Roque da Viola. Depois, o homenageado é retirado do caixão e um boneco, representando o ano velho, é queimado e enterrado ao som de fogos de artifício e muita música. 

    Boca de Traíra, que foi o primeiro defuto da brincadeira nos idos anos de 1977, acrescenta que é aí que começa o grande show da virada com cantor-revelação Anderson Dias, artista da terra, que caiu no gosto popular ao interpretar grandes sucessos dos mais variados gêneros musicais. 

    Tem novidade na área

    A grande novidade, de acordo com Gil, é que na segunda-feira, dia 1º, acontecerá o enterro dos vivos, uma forma inédita na comunidade para recepcionar o ano novo.

    A programação começa no horário provável das 10 horas da manhã e vai contar com a participação de cantores, pratas da casa, e a alegria contagiante que cada bonfinense carrega em seu DNA. É assim que Bonfim de Feira se despedirá de 2017 e dará boas-vindas a 2018.

    Como chegar lá? 

    Para participar da Réveillon Público em Bonfim de Feira, festa que reúne cerca de 2,5 a 3 mil pessoas, os interessados devem sair de Feira de Santana pela Avenida Rio de Janeiro, sentido BR 116-sul, depois converge para a Estrada do Feijão (BA-052), faz o contorno e pega a BA-499, segue por mais 12km até chegar ao distrito. 

    Esta rodovia, que era alvo de constantes reclamações dos moradores de Bonfim por conta dos muitos buracos, foi recuperada recentemente pelo governo do Estado, depois de várias reportagens do Folha do Estado denunciando o estado de abandono. Com esta intervenção, o acesso ao distrito, agora, está facilitado.



  • Mais de 103 mil candidatos se inscrevem no concurso para professor e coordenador pedagógico do Estado


    28.12.2017 16h03m
    Recomendar

    Mais de 103 mil candidatos se inscreveram no concurso público para professores e coordenadores pedagógicos da rede estadual de ensino, promovido pelo Governo do Estado, por meio das Secretarias da Educação e da Administração. Foram 69.587 inscritos para professores e 33.995 para coordenadores pedagógicos. São ofertadas 3.760 vagas, sendo 3.096 para professores e 664 para coordenadores pedagógicos.

    O secretário da Educação do Estado disse que a procura pelo concurso revela o interesse dos profissionais pela Educação. "Esta é uma área que vem sendo priorizada enquanto política pública pelo governador Rui Costa, que também está investindo em cursos de qualificação e na promoção da carreira dos professores e coordenadores pedagógicos. São esforços empreendidos mesmo em um momento delicado na economia do país. Portanto, isto significará um grande salto para o fortalecimento do eixo pedagógico das escolas e, consequentemente, para a melhoria da Educação".

    Concorrência 

    O cargo de professor padrão P, grau IA Linguagem, com ênfase em Língua Portuguesa, para Salvador, foi o que registrou o maior número de inscritos, 2.006 candidatos. Já o cargo de professor padrão P, Grau IA Ciências Humanas: Filosofia, e para professor padrão P, grau IA Ciências Humanas: Sociologia, ambos para Jacobina, registraram o menor número de inscritos, cinco por disciplina. Para o cargo de coordenador pedagógico Padrão P, Grau IA, Salvador registrou o maior número de inscritos, sendo 6.953 candidatos e Macaúbas registrou o menor número, com 285 inscritos.

    Aplicação das Provas 

    O concurso terá três etapas. As provas objetivas (1ª etapa) e discursivas (2º etapa) serão aplicadas no dia 25/02/2018, para todos os cargos, no período da manhã, nas cidades de Alagoinhas, Amargosa, Barreiras, Bom Jesus da Lapa, Caetité, Eunápolis, Feira de Santana, Ipirá, Irecê, Itaberaba, Itabuna, Itapetinga, Jacobina, Juazeiro, Jequié, Macaúbas, Paulo Afonso, Ribeira do Pombal, Salvador, Santa Maria da Vitória, Seabra, Serrinha, Santo Antônio de Jesus, Senhor do Bonfim, Teixeira de Freitas, Valença e Vitória da Conquista. Somente será corrigida a prova discursiva dos candidatos habilitados e melhores classificados nas provas objetivas. A terceira etapa é a prova de títulos, para fins de pontuação dos candidatos habilitados na prova discursiva. 

    Confira o número de inscritos por município: 

    Professor

    Coordenador Pedagógico 

    Fonte: Secretaria de Educação



  • Escola em Bonfim de Feira faz evento de saúde pública


    15.11.2017 15h55m
    Recomendar

    Nesta quinta-feira (16), acontece no Colégio Cupertino de Lacerda, no distrito de Bonfim de Feira, o evento Saúde em foco, que começa 8h30.

    Serão oferecidos à população diversos serviços, como:

    * Aferição de pressão;
    * Teste de glicemia;
    * Palestras:
    - Saúde da mulher e do homem
    - Saúde Mental.
    - Hipertensão e Diabetes.

    Durante o evento ocorre também um Bazar Solidário para arrecadar fundos para a comemoração do encerramento do ano letivo do colégio estadual.

    A diretora, Neide Rodrigues, professores e alunos convidam toda a comunidade para participar. 



  • Buraco do Joaquim, nos Olhos D’águas das Moças: a estratégia para fugir dos castigos da escravidão em Feira de Santana


    03.11.2017 12h01m
    Recomendar

    Com o tema “Fazendo Memória e Re-conhecendo a/s história/s do nosso lugar”, estudantes e professores da Escola Municipal Crispiniano Ferreira da Silva, localizada na comunidade Olhos D’Água das Moças, a 2km da Matinha, região reconhecida como remanescente quilombola, realizaram pesquisa sobre a importância do Buraco do Joaquim como rota de fuga utilizada por negros para se livrarem do castigo da escravidão em Feira de Santana.

    A “descoberta” da existência de um lugar cujas características reportou estudantes e professores aos tempos da escravidão os estimulou a saber mais sobre o mesmo e a selecioná-lo como espaço a ser visibilizado dentro da proposta do Projeto “Feira Que Te Quero Ver”, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Educação, que este ano priorizou o patrimônio histórico-cultural local para valorizar o universo onde a escola está inserida.

    A visita ao “Buraco do Joaquim” contou com o apoio do Ten. Cel. José Alberto Silva Junior, comandante do 2° GMB e do Secretário de Meio ambiente Sergio Carneiro. O Suporte dado pelo Corpo de Bombeiros e pela Secretaria de Meio Ambiente tornou possível adentrar no interior do buraco e passar pela experiência sensorial que fez pensar nas diferentes possibilidades dos sujeitos que por ali passaram em tempos distantes. 

    No interior do referido buraco existem passagens que dão acesso a outros lugares, porém, por recomendação do corpo de bombeiros, para garantir a segurança dos estudantes, dos professores, estagiários e curiosos das proximidades que também resolveram entrar para conhecer o ambiente quase lendário, a visita ficou limitada a um espaço mais restrito e próximo à entrada.

    Com o suporte dos referidos órgãos, que com lanternas especiais iluminaram o local ajudando inclusive a afastar os morcegos, os atuais moradores do espaço, e contribuíram para que professores e estudantes dialogassem um pouco no local sobre as possíveis dificuldades enfrentadas por quem, em fuga, queria livrar-se dos castigos da escravidão e conquistar a tão sonhada liberdade passando por aquele lugar. 

    Apresentação na escola 

    As experiências e descobertas vivenciadas no Buraco do Joaquim foram socializadas na própria escola com a apresentação do projeto. As atividades contaram com apoio da Gestora, profa. Irlete Fontes, da Coordenadora profa. Adriana Peixinho e dos professores Edivan Maia Railda Neves.

    Já a mesa de honra foi composta por estudantes do 8º e 9º ano, tanto no matutino quanto no Vespertino. Isto para evidenciar a importância do protagonismo dos educandos enquanto sujeitos e autores da história. “Além de nos ajudar a saber quem somos, conhecer melhor o nosso passado, nos faz ter orgulho de nós mesmo e de nossa origem”, afirmou a estudante Núbia. “O projeto nos ajudou a conhecer histórias de nosso passado que estavam esquecidas”, completou.

    O silêncio que marcou a leitura do texto poético produzido pelos discentes foi entendido como resultado de uma aprendizagem significativa cujo alcance transcende o momento presente. Tendo priorizado a realidade local, a visibilização de lugares e sujeitos do cotidiano valorizou ou contribuiu para despertar o sentimento de pertença nas pessoas da localidade e não apenas dos estudantes. 

    Em meio a educadores emocionados e estudantes felizes com o resultado do trabalho, a escola aproveitou o ensejo para ratificar a importância da história oral para o nosso aprendizado e reafirmá-la como herança africana. 

    O projeto concorre na categoria vídeo do Feira que te quero Ver. A cerimônia de premiação dos trabalhos mais votados está prevista para a primeira quinzena deste mês. 



  • De unidade de ensino a abrigo de marginais: o colapso do colégio Carlos Valadares em Bonfim de Feira

    Reportagem: Danilo Guerra / Fotos: Enviadas por leitores-internautas
    03.11.2017 09h36m
    Recomendar

    Inaugurada na década de 40, período em que o mundo enfrentou os ardis da segunda guerra mundial, o Colégio Estadual Dr. Carlos Valadares, primeira escola pública do distrito de Bonfim de Feira, está em estado de completa ruína. Extinto em 29 de novembro do ano passado pelo Governo do Estado da Bahia, o prédio, que antes servia como espaço de formação educacional e descoberta de vocações profissionais, virou abrigo de marginais, usuários de drogas e moradores de rua.

    Quem olha para o colégio do meio hoje (o prédio é ladeado por duas outras escolas: Cupertino Lacerda e Álvaro Boaventura, esta recém-reformada pelo administração municipal, mas aquela também condenada a ruir) e contempla o estado deplorável em que ela se encontra, sente nostalgia de um tempo que a escola era viva e possibilitadora da realização de sonhos.

    Destruíram o encanto

    A paisagem já não encanta mais. Vidros quebrados, dejetos fecais por todos os lados e um odor horrendo dão sinais de que o comando agora é de “pivetes”, que vagam pelo espaço tomado pelo matagal para se drogarem além de, segundo relato de moradores, cometerem atos libidinosos. 

    Um funcionário do Cupertino, que não quis ser identificado, informou que têm vândalos q jogam pedras no telhado das salas durante a aula e que já viu eles fumando drogas dentro do prédio público. “Faz 15 dias que um deles pulou o muro deste colégio e ameaçou um aluno”, afirmou. 

    “Tem um rapaz que é usuário de drogas e fica lá no Valadares. Um dia ele pulou o muro do Cupertino e entrou na sala do primeiro ano. Está um perigo, a situação está insustentável. Estamos com medo de a qualquer momento eles invadirem a escola e nos tornar reféns desse processo. Tá difícil pra nós professores”, informou outra educadora que também é ex-estudante da escola degradada e ensina nas escolas vizinhas. 

    A revolta popular

    As queixas são crescentes na comunidade que assiste com o sentimento de revolta a decadência do prédio escolar que abriga um legado grande da história da educação daquele distrito. “É uma tristeza ver a degradação do patrimônio público”, afirmou um morador, autor das fotos que ilustra essa reportagem, que também terá sua identidade preservada. 

    Muitos professores também entraram em contato com o Folha do Estado para denunciar o descontentamento com o fechamento da unidade de ensino, que já chegou a abrigar salas de aula com 35 a 40 alunos em turnos diferentes. “Estudei no Carlos Valadares, o antigo primário, que tinha o nome de Escola Dr. Sabino Silva, e fico indignada com o descaso do Governo do Estado”, relatou uma professora que estudou lá na década de 50. 

    O caso tá tão grave que professores das escolas ladeadas já reclamam dos novos vizinhos que, como se não bastasse a prática das ações citadas acima, ainda “sobem no muro e ficam perturbado os alunos que estão em aula”, afirmou uma professora (identidade foi preservada) que na década de 70 também foi estudante desta escola.

    Sugestões para recomeçar 

    A sugestão dos funcionários, no entanto, é que o posto policial, que hoje funciona em um microespaço anexo ao antigo posto de saúde do distrito, passe a funcionar neste espaço, já que é uma instituição também gerida pelo Estado. Além disso, a comunidade também sugere que se crie ali um espaço para eventos juntamente com uma área de lazer, assim supriria uma grande lacuna na comunidade. 

    “Há uma necessidade que temos de um local para fazer encontros culturais, intercâmbio social, hospedagens de policias em festas de grande porte e de componente das bandas que aguardam até a festa começar e como o Valadares tem uma estrutura muito ampla, poderia ser reformado para atender uma dessas necessidades”. 

    O que diz o Governo

    Diante do caos, a nossa equipe de reportagem indagou a Secretaria de Educação do Estado sobre a situação da escola e que medidas seriam tomadas para evitar que a comunidade continuasse vulnerável à ação dos marginais uma vez que a comunidade, sobretudo estudantil, não suporta mais a situação crítica que enfrenta. 

    Em reposta, a assessoria da Secretaria informou apenas que “está elaborando um projeto de ampliação e levantamento dos serviços para reforma do prédio, para voltar a funcionar como unidade de ensino”, mas não informou quando isto será realizado. As atividades do Valadares foram encerradas em 2015. Os 54 estudantes foram transferidos para rede municipal e a unidade escolar foi extinta em 29 de novembro de 2016.



  • Secretário de Habitação vai a Brasília discutir soluções para o Minha Casa, Minha Vida em Feira


    19.10.2017 17h04m
    Recomendar

    Inconformado com a situação de desvio de finalidade do programa Minha Casa, Minha Vida em Feira de Santana, o Secretário de Habitação e Regularização Fundiária, Eli Ribeiro, vai a Brasília, sede do governo brasileiro, para discutir a problemática do programa na cidade.

    O secretário parte de Feira de Santana no próximo dia 26 com destino a capital federal. No Ministério das Cidades, Eli será recebido pela Secretária Nacional de Habitação, Maria Henriqueta Arantes Ferreira Alves, que é a responsável pela grande vitrine da Pasta, o programa Minha Casa Minha Vida. 

    Em seu gabinete, Henriquieta e Eli tratarão sobre as perspectivas e desafios para o futuro do programa que, segundo o secretário feirense, constitui num exemplo bem-sucedido de política pública para os mais pobres. 

    “Feira de Santana foi a primeira cidade do Brasil a receber unidades do Minha Casa, Minha Vida, mas cerca de 7 anos já se passaram e muita coisa mudou no país e na concepção do programa, então, vou dialogar com a secretária sobre o que está acontecendo no âmbito municipal para que fique ainda mais clara quais são as competências de cada ente federativo”, disse Eli. 

    O secretário tem razão. Muitas pessoas confundem as competências quando o assunto é Minha Casa, Minha Vida. A maioria acredita que é do município o dever de fiscalizar o desvio de finalidade nesses empreendimentos sociais, quando, na verdade, é uma obrigação dos bancos financiadores (Caixa Econômica ou Banco do Brasil). 

    De acordo com ele ao município, cabe apenas, “executar a seleção de beneficiários do Programa, observados os critérios de elegibilidade e seleção da demanda definidos pelo Ministério das Cidades”, conforme portaria n° 168, de 12 de abril de 2013. 



  • Uefs realiza seminário para celebrar 5 séculos da Reforma Protestante


    16.10.2017 11h01m
    Recomendar
    Uefs realiza seminário para celebrar 5 séculos da Reforma Protestante

    Consolidada como uma das instituições de ensino superior mais importantes do Norte-Nordeste do País, a Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS - vai trazer para mesa de discussões a Reforma Protestante, movimento religioso, liderado pelo monge alemão Martinho Lutero (1483 -1546), que eclodiu no século XVI e que teve como objetivo reformar a prática de fé por meio do retorno às Escrituras.

    O evento, que será realizado nos dias 25 e 26 deste mês, no auditório do módulo 7, foi batizado de “Seminário 500 anos da Reforma Protestante e seus desdobramentos no Brasil”, cinco dias antes do 31 de outubro, data em que Lutero fixou suas 95 teses em Wittenberg contestando a doutrina vigente e resgatando o cristianismo bíblico. 

    Abordar a influência da Reforma e seus desdobramentos no solo brasileiro, sobretudo em Feira de Santana e em outras cidades da Bahia, é uma oportunidade impar que a Uefs está dando para que ocorra um reencontro com os cincos princípios que motivaram a revolução luterana: “Sola Scriptura” (Só as Escrituras); “Sola gratia” (Só a graça); “Sola Fide” (Só a fé) e “Solus Christus” (Só Cristo)”. É fundamental que este retorno ao Cristianismo primitivo ocorra com uma certa urgência já que o contexto de degradação moral e superstição religiosa que enfrentamos atualmente é similar ao de Lutero, na Alemanha de sua época.

    Em virtude disto, o tema é de profundo interesse, não apenas da comunidade acadêmica e científica, mas também de toda a sociedade, sobretudo daqueles que professam a mesma fé que Lutero e lutam contra o sistema corrupto e imoral que tenta transformar as verdades bíblicas em fábulas banais. Pastores, padres, teólogos, crentes (ortodoxos e/ou liberais) e até mesmo ateus precisam sentar à mesa com o olhar limpo para dialogar sobre esta importante temática que afeta a vida de milhões de brasileiros.

    De acordo com levantamento realizado em dezembro do ano passado, pelo instituto Datafolha, o número de protestantes na nação verde e amarela corresponde 29% da população, o número, expressivo, bate sete pontos percentuais a mais do que o Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Isto significa dizer que os protestantes no País não param de crescer e já somam mais de 43 milhões. 

    A maioria destes, poderiam nem estar vivos hoje. Muitos viviam de forma degradante, jogados no submundo do tráfico de drogas e da miséria; outros tantos eram considerados estercos da sociedade, não frequentam escolas, vivam em conflitos domésticos constantes, não tinham prestigio algum e experimentavam as dores da marginalização. No entanto, depois que começaram a seguir os princípios da Reforma, suas vidas nunca mais foram as mesmas. 

    Por que é importante lembrar? 

    As Escrituras registram que essa transformação só é possível porque o espírito do Senhor DEUS está sobre cada um deles; porque o SENHOR os ungiu, para pregar boas novas aos mansos; restaurar os contritos de coração, proclamar liberdade aos cativos e a abertura de prisão aos presos; a consolar todos os tristes; a ordenar acerca dos tristes que se lhes dê glória em vez de cinza, óleo de gozo em vez de tristeza, vestes de louvor em vez de espírito angustiado; a fim de que se chamem árvores de justiça, plantações do Senhor, para que ele seja glorificado” (Isaías 61:1,2).

    É este o trabalho desenvolvido por protestantes em todas as partes do Brasil e do mundo. Talvez seja por isso que um articulista de uma revista tendenciosa chamou-nos de “gente incômoda”. Incomodamos porque assim como Lutero, lutamos para que todos cheguem ao pleno conhecimento da Verdade. 

    Vale a pena participar desse seminário que será realizado pelo Núcleo de Pesquisa da Religião – CPR – vinculado ao Departamento de Ciências Humanas e Filosofia da Uefs (liderado pela professora doutora Elizete da Silva) em parceria do Colegiado de História da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia – UFRB – e com o curso de Pós-Graduação em História da UFBA – Universidade Federal da Bahia. 



  • Reforma Protestante: quem explica Deus?


    09.10.2017 11h31m
    Recomendar
    Reforma Protestante: quem explica Deus?
    Com a Reforma, O Filho de Deus voltou a ser o caminho de salvação. A Palavra de Deus voltou a ser importante fonte do falar de Deus, essencial para transformação do homem

    Por Nils Alberto G Bergsten (*)

    Alguns eventos tem o poder de marcar e até mudar a História. O Atentado de 11 de Setembro às Torres Gêmeas, nos EUA, é um bom exemplo, em tempos modernos.
    O ano de 1517 marca o início da chamada Reforma Protestante, que em 2017 completa 500 anos. São 500 anos que alguns vilanizam um homem, Martinho Lutero, como se ele tivesse, à época, premeditado cada ação para obter repercussão de transformação ao longo dos próximos séculos.

    Os tempos eram complexos. James Hitchcock, sintetiza que "a Igreja Católica, como instituição universal, figurava como um obstáculo às emergentes monarquias nacionais". Sobre Lutero ele diz "A Europa estava pronta para a explosão, e Lutero acendeu o pavio". Christopher Dawson, respeitado historiador católico, explica que a cultura da Renascença era urbana e semelhante às cidades-estado do mundo grego, propiciando o surgimento de uma elite intelectual e convidando o cidadão à liberdade individual. Também descreve os muitos movimentos de Reforma, citando homens como Jan van Ruysbroeck de Groenendaal, fundador de uma comunidade de leigos chamada Irmandade da Vida Comum, onde se destacavam Nicolau de Cusa e o próprio Erasmo de Roterdã. A "panela de pressão" estava no fogo e em plena pressão, quando tudo aconteceu.

    Que grito era este, preso na garganta de tanta gente, aparentemente "contra Deus e Sua Santa Igreja?" Que motivos são esses, de se levantar contra "a verdade"? A Reforma foi mesmo rebeldia iluminista? Citemos então agora algumas passagens bíblicas: Salmos 115.2,3 - Por que perguntam as nações: "Onde está o Deus deles?" O nosso Deus está nos céus, e pode fazer tudo o que lhe agrada. Daniel 4.34 - ...eu, Nabucodonosor ...louvei o Altíssimo; honrei e glorifiquei aquele que vive para sempre... Ele age como lhe agrada com os exércitos dos céus e com os habitantes da terra. Ninguém é capaz de resistir à sua mão nem de dizer-lhe: "O que fizeste?". Is 43:13 - Ainda antes que houvesse dia, eu sou; e ninguém há que possa fazer escapar das minhas mãos; agindo eu, quem o impedirá?

    As Escrituras Sagradas, sim, elas explicam Deus. Jesus encarnou para Revelar Seu Pai, revelar Deus, diz João 1.17. Conhecemos a Deus olhando para Jesus, e uma das verdades mais detalhadas das Escrituras é a Soberania de Deus, o Seu poder de interferir e controlar toa a História. Nada escapa ao Seu olhar. As Nações da Terra são reputados uma gota num balde, com o pó miúdo da balança, que não afeta o resultado final em nada. Aliás, diz Isaías 40.16,17, Deus considera as nações como "menos do que nada"!

    Os céus dos céus não podem abrigar Deus, como então Ele seria aprisionado em uma instituição? Como Deus seria capturado pelos rituais e dogmas de quem quer que seja? Quem o compraria com missas e cultos? Quem o enganaria com boas obras e bons comportamentos? Deus mesmo diz "O Senhor não vê como o homem: o homem vê a aparência, mas o Senhor vê o coração".

    A Reforma Protestante libertou Deus. O Filho de Deus voltou a ser o caminho de salvação. A Palavra de Deus voltou a ser importante fonte do falar de Deus, essencial para transformação do homem.
    Com a Reforma Protestante sabemos que Deus não pode ser capturado por nenhuma mente humana, não pode ser domesticado, não pode ser controlado por boas intenções e rituais bem arrumados. Deus requer vida santa, humildade, contrição e adoração genuína, mediada pelo sacrifício que o próprio Deus fez de si mesmo. Foi O Pai quem definiu o caminho até Ele - Cristo, o Crucificado e Ressurreto. É mediante o sacrifício de Jesus que o homem recebe a condição de poder chegar-se ao Criador, agora não como simples criatura, mas como filho de Deus.

    Será mesmo que a Reforma Inevitável foi um cochilo desse Deus? Estava Ele dormindo? Ou será que Ele não via, como em Ezequiel 8, as práticas repugnantes que eram feitas em nome de Deus, no meio do povo de Deus, pelos ditos servos de Deus? SIM, Deus via - Deus vê tudo. Deus sempre controla a História. A impressora recém-inventada por Gutemberg reproduziria não só palavras de Lutero e demais reformadores. Agora, a própria Bíblia era acessível a todos, que a liam e estavam expostos ao poder do Espírito Santo em sua vida pessoal. 

    O grito por Reforma já existia dentro da Igreja, mas não foi ouvido nem ecoou com mudanças significativas. A lição que fica nos remete ao Brasil: Há um grito por mudança entre os cristãos. Há um grito por integridade, por coerência, por fidelidade a Deus. Então vos digo que o Deus da História fará tantas Reformas quantas forem necessárias, e em nenhuma delas pedirá o nosso aval ou opinião, pois nós mesmos precisamos acatar o agir de Deus na História, para que não sejamos achados, como disse Gamaliel, combatendo contra Deus.

    (*) Casado com Maria Fernanda Bergsten, pai de dois filhos já casados, ex-empresário, hoje pastor de tempo integral da Comunidade Videira; Oficial da Reserva do Exército, formado em Engenharia Mecânica, com formação na FVG-RJ e Coaching pelo SBD; instrutor do SESI em diversos cursos de treinamento e capacitação em várias áreas profissionais, autor do livro Por Um Evangelho Simples e de dois canais no YouTube: <https://www.youtube.com/user/NBergsten/> e <https://www.youtube.com/user/100Rodeios



  • Os subsídios da Reforma e sua contribuição para a educação moderna


    02.10.2017 10h18m
    Recomendar
    Os subsídios da Reforma e sua contribuição para a educação moderna
    Martin Lutero criticou o currículo e o modelo aristotélico do ensino europeu e propôs um novo currículo e modelo em uma pedagogia mais humanista e moderna

    Por Luís Cláudio Zayit (*)

    A Reforma Protestante, segundo o professor Alderi Matos, foi um fenômeno variado e complexo do século XVI, que incluiu fatores políticos, sociais e intelectuais, iniciado por Martinho Lutero, quando publicou as suas 95 teses, em 31 de outubro de 1517 na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg.

    Em homenagem ao aniversário da Reforma Protestante, que estará completando 500 anos, precisamos lembrar-nos dos seus principais pilares, o conceito de Sola Scriptura (somente a Escritura) de onde surgiu a liberdade e a universalização do ensino. Mas, o que era a tal "sola scriptura"? Martinho Lutero afirmou que só aceitaria o que pudesse ser provado pelas Escrituras.

    Aceitando somente a Escritura Lutero concluiu que a salvação era somente pela graça (sola gratia), somente pela fé (sola fide) e por Cristo (solus Christus), cujo propósito de culto era somente a glória de Deus (soli Deo gloria), discordando fundamentalmente da tradição católica, como por exemplo, a venda de indulgências. Em outros termos, o conceito de sola scriptura é fundamental para o entendimento da teologia protestante e de sua cosmovisão socioeducacional. 

    Os subsídios da Reforma Protestante para a universalização do ensino é evidente, porquanto essa não era exclusivamente envolvida com a concepção espiritual da sociedade, mas procurava também prover um alicerce sociocultural visível dirigindo as massas e visando cooperar para que a Reforma pudesse ser benéfica não apenas ao ofício religioso, mas também ao educacional. 

    Em uma Europa (século XVII) onde a maioria da população era analfabeta foi imprescindível dá letras ao povo antes de dá a Bíblia na língua do povo. Os reformadores estavam conscientes de que a alfabetização dos leigos e a aperfeiçoada educação filosófica dos clérigos seria um fator imprescindível para uma das cinco solas, bases da Reforma, que era a "Sola Scriptura" de onde surgiu a hermenêutica eclesiástica que foi a livre interpretação da Bíblia pelo povo. Por conseguinte a Reforma Protestante desempenhou amplo pioneirismo ao universalizar o ensino por meio da criação de uma pedagogia própria e de escolas para o povo, onde se incidiu o ensino gratuito.

    Pré-reformadores 

    Porém, estes valores sociais encontram um eco histórico em articulações feitas em tempos passados pelos pré-reformadores. Temos três grandes nomes entre tantos conhecidos e anônimos, e o primeiro deles é sem duvida alguma John Wicliff em 1376, com seu conceito de "corruptos não podem lidera as instituições" evocada pela obra "De Civili Dominio" onde ele elaborou um dos princípios da livre interpretação que é desfazer do discurso de poder demagógico dos ímpios. O pré-reformador e outros que se ligaram a causa (professores de Oxford), em 1382, traduziram a Vulgata Latina (Bíblia na versão Latina) para o inglês e abriram a Bíblia ao povo da Inglaterra pela primeira vez. 

    Outro nome a ser lembrado entre os pré-reformadores é John Huss, considerado por muitos historiadores como o sucessor direto de Wycliff. Huss foi professor da Universidade de Praga. Foi condenado por heresia em 1415 pelo Concílio de Constança. De acordo com uma história que se originou alguns anos após o fato - voltou-se para seus executores pouco antes da sua sentença ser realizada e afirmou: "Hoje vocês queimam um ganso, mas daqui a cem anos um cisne surgirá que vocês serão incapazes de cozer ou assar". O nome Huss significa ganso e cem anos depois surgia Lutero, o "Cisne".

    O terceiro é o William Tyndale (1484-1536), contemporâneo e amigo de Lutero, muitos o colocam como pré-reformador, mas é inegável que ele teve uma grande participação de maneira direta na Reforma Protestante. Seu grande projeto foi traduzir a Bíblia para o inglês direto de fontes hebraicas e gregas. Sua fonte foi o Textus Receptus (Texto Recebido, o manuscrito grego da Reforma). William Tyndale concluiu a tradução do Novo Testamento em 1525. 

    Segundo o professor Lorenzo Luzuriaga, a educação pública teve origem na Reforma Protestante. Seus subsídios sociais foram à educação pública, universal e gratuita, para aqueles que não poderiam pagar e tornaram um legado ao mundo moderno. O que fez Lutero em relação à educação? Criticou o currículo e o modelo aristotélico do ensino europeu e propôs um novo currículo e modelo em uma pedagogia mais humanista e moderna. 

    Lutero entendeu que para reforma a religião cristã era preciso modificar o Estado e que para modificar o Estado era preciso mudar a educação. Os historiadores chamam estas ideias de "pedagogia de Lutero". Com esta sua ideologia Lutero colocou nas mãos dos professores a mudança do pensamento medieval para o pensamento moderno. E o único meio era "educação livre para todos". 

    Segundo Riemer Faber é esquecido que a Reforma estava tão preocupada com a escola quanto com a igreja e o lar. Apreciando o papel da educação na direção da igreja e da sociedade de volta à fonte da fé cristã, os reformadores se comprometeram com a escolaridade dos jovens. Um dos primeiros atos de Martinho Lutero como reformador foi propor que os mosteiros fossem transformados em escolas, enquanto um dos seus últimos era estabelecer uma escola em Eisleben, onde morreu em 1546.

    Não só Lutero, mas também todos os reformadores promoveram ativamente a educação reformada em seus escritos e trabalhos. Por conseguinte, não é exagero afirmar que, como resultado da Reforma, a educação pública foi muito alterada até o final do século XVI.

    (*) Pastor, teólogo, pesquisador sobre os sefarditas e professor de História da Igreja
     



  • Cid Moreira, o homem da voz inconfundível da TV brasileira, estará em Feira de Santana

    O jornalista concederá entrevista coletiva no Parque do Saber, às 10h da próxima segunda-feira, dia 2.
    29.09.2017 14h05m
    Recomendar

    Aos 90 de anos de idade, com uma trajetória gloriosa na comunicação brasileira e dono de uma voz inconfundível, o jornalista Cid Moreira, visita Feira de Santana pela primeira vez. O comunicador participará do V Congresso Científico da Faculdade Adventista da Bahia, em cachoeira. Mas, Feira de Santana foi a cidade escolhida para sediar a coletiva de imprensa que será realizada no Museu Parque do Saber, nesta segunda-feira, 02, às 10h.

    Cid Moreira passou por todas as fases dos meios de Comunicação no Brasil - Rádio, TV e Internet. Nesta útlima lançou, há poucos meses, o Canal da Bíblia e também seu próprio canal: Cid Moreira Oficial.

    Na TV, passou pela Tupi e Excelsior. Mas foi na Globo, emissora que está até hoje, que tornou-se Recordista Mundial como o apresentador que ficou mais tempo num telejornal. Foram 27 anos na bancada do Jornal Nacional. Cid começou no JN em 1969, ao lado de Hilton Gomes.

    Outro sucesso de Cid Moreira é a narração da Bíblia. No fim da década de 90, lançou Textos do Novo Testamento. Vendeu cerca de 50 milhões de CDs. Suas gravações já atingiram mais de 60 milhões de cópias, em DVDs, CDs e em novas mídias.
    Hoje, além de seu contrato de exclusividade com a Rede Globo, Cid viaja pelo Brasil, com a jornalista Fátima Sampaio Moreira, que também é sua esposa, e com o jornalista Siloé Almeida. Em suas apresentações, de maneira espontânea, ele conta muitas histórias de sua vida e experiência como apresentador, responde perguntas do auditório e fala de sua relação com Bíblia. 



  • Reforma no telhado do Feiraguai vai custar R$ 1,5 milhão e começa na segunda-feira

    Deste total, R$ 1.050 milhão provém de emenda parlamentar e os outros R$ 450 mil restantes correspondem a contrapartida da Prefeitura Municipal
    28.09.2017 16h59m
    Recomendar

    Divididas em quatro etapas, as obras de reforma do telhado do Feiraguai, um dos mais requisitados centros de comércio popular de todo o Estado, serão iniciadas na próxima segunda-feira, 2, com o deslocamento de 120 proprietários de boxes para ruas próximas do entreposto comercial.

    De acordo com o cronograma apresentado pela construtora vencedora da licitação pública, com vistas a proporcionar maior conforto aos comerciantes e consumidores do Feiraguai, o espaço será coberto com telhas termo acústicas (tipo sanduíche).

    Consta da reforma do telhado a instalação de uma claraboia se estendendo por todo o corredor central. Além de impactar em economia no consumo de energia elétrica, o investimento vai deixar os corredores mais ventilados e mais bem iluminados com o aproveitamento da luz natural.

    O projeto foi concebido dentro de um moderno conceito estético, de modo a não permitir que o espaço interno seja atingido com as águas da chuva, sendo que a primeira etapa será entregue até o dia 15 de novembro.

    Segundo Sandro Santana, vice-presidente da Associação dos Vendedores Ambulantes de Feira de Santana (AVAMFS), “os comerciantes deslocados nesta primeira fase retornarão aos sete corredores reformados, sendo que as obras serão interrompidas até dezembro, em vistas do período natalino”.

    Outlet center à céu aberto

    As três etapas seguintes, paulatinamente, serão reiniciadas a partir de janeiro, sempre obedecendo o deslocamento dos comerciantes dos corredores atingidos pelas obras para as ruas próximas, “onde foi criada a estrutura de um outlet center, com demarcação de boxes, iluminação adequada, e piso coberto com paletes para dar mais conforto aos consumidores”, assegurou Santana.

    As obras consumirão recursos da ordem de R$ 1,5 milhão. Deste total, R$ 1.050 milhão provém de emenda parlamentar do então senador João Durval Carneiro, através do suplente de deputado Zé Chico.

    Os R$ 450 mil restantes correspondem a contrapartida de 40% da Prefeitura Municipal, que intermediou o recurso através das secretarias de Gestão e Convênios, e Turismo, Trabalho e Desenvolvimento Econômico (SETTDEC). 



Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia