Em cima da hora:
Motociclista fica ferido após bater de frente com ônibus em Ribeirão Preto
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • Reage Juventude acontece neste final de semana e vai reunir dezenas de jovens no Maestro Miro

    O evento é gratuito, mas os participantes devem levar um quilo de alimento não perecível
    19.09.2018 10h32m
    Recomendar

    Nos próximos dias 21 e 22 de setembro (sexta e sábado desta semana) o Centro de Cultura Maestro Miro será o grande palco para a segunda edição do projeto Reage Juventude, um movimento interdenominacional que une jovens evangélicos de Feira de Santana, sobretudo da zona sul da cidade, em torno de um só propósito: propagar o evangelho genuíno de Jesus Cristo a todas as pessoas.

    O evento, que está agendado para começar às 18h45, tem entrada franca, mas, de acordo com a coordenação, cada participante deve levar um quilo de alimento não perecível. Após acolhida no auditório do Maestro Miro, todos participarão de um mover sobrenatural da parte de Deus através da Palavra cantada e/ou pregada por Atailson Arison, Pr. Valdemar Junior, Vida Mendes e o Ministério A Metta. O término, nos dois dias, está previsto para acontecer às 21h45. 

    Gratuito e aberto para pessoas de qualquer credo religioso e até mesmo para aquelas não professam crença alguma, o II Reage Juventude vai reunir dezenas de jovens que, cotidianamente, buscam, através da Palavra de Deus, distribuir as sementes do Evangelho por onde passam. Serão dois dias de imersão espiritual. “Venha você, com sua família, seus vizinhos, colegas e amigos, sentir a atmosfera de adoração sobrenatural. Deus quer te dar experiências como você nunca teve outrora”, escreveu os administradores da página do Reage em sua rede social. 



  • Desfile cívico oportuniza protagonismo da juventude cristã em Feira de Santana


    10.09.2018 20h02m
    Recomendar

    A juventude da Igreja Assembleia de Deus em Feira de Santana (Adefs) viveu um dia histórico no sete de setembro de 2018. Não apenas por ser o aniversário da Independência do Brasil, mas, sobretudo, por ter protagonizado um grande espetáculo na Avenida Presidente Dutra, durante o Desfile Cívico na maior cidade do interior baiano.

    Acompanhados de uma espécie de fanfarra gospel, os jovens e adolescentes da Adefs, maior igreja evangélica de Feira de Santana com cerca de 13 mil membros, cantavam hinos clássicos da harpa cristã. Enquanto isso, um grupo de meninas faziam coreografias pela avenida e, ainda outro marchava, com ânimo, na cadência da fé. 

    Do cortejo cívico ao poder legislativo

    Pelo ineditismo, a participação da juventude cristã assembleiana, ao lado das crianças do Orfanato Evangélico e de diversos estudantes do Colégio Estadual Dr. Gamaliel, ressoou na Câmara Municipal da Cidade quando o vereador Cadmiel Pereira (PSC) fez uso da tribuna da Casa para proferir seu discurso. 

    http://www.professorreporter.jornalfolhadoestado.com/fotos/p/933-1.jpeg

    "Os jovens da Assembleia de Deus merecem uma moção de aplauso. É importante termos jovens comprometidos, orando pela cidade e proclamando o nome de Jesus. Estamos de parabéns", elogiou.

    A repercussão foi positiva no poder legislativo porque a juventude deu lições de civismo, patriotismo e fé, já que o Brasil é um das nações com o maior número de cristãos do mundo. Juntos mostraram que, apesar do contexto de descrença e falta de amor entre os humanos, ainda há esperança e ela tem nome: Jesus. 

    O desfile cívico também contou com a participação de militares do Exército, da Polícia Militar, grupos escolares e de fanfarras e diversas outras entidades, como a turma do grito dos excluídos, que igualmente a juventude foram à avenida parabenizar a pátria e/ou reivindicar melhorias da qualidade de vida do povo brasileiro.
     



  • Zueira não é brincadeira. Diga não ao Bullying

    A equipe Preta está engajada no combate ao bullyng
    22.08.2018 09h40m
    Recomendar

    O Colégio Estadual Cônego Cupertino de Lacerda, de Bonfim de Feira/Ba realiza uma grande Gincana, mobilizando seus alunos e toda comunidade. Dentre as equipes concorrentes, a Equipe Preta divulga sobre a importância do combate ao Bullying, com o seguinte lema: “Zueira não é brincadeira. Diga não ao Bullying.”



  • Equipe azul no combate ao bullying


    22.08.2018 08h21m
    Recomendar

    Bullying é o nome que se dá as todas as formas de atitudes agressivas, verbais e/ou físicas. Intencionais ou não. Acontecem sem um motivo especifico e acontece por uma ou um grupo de pessoas.

    Em tempos passados, bullying não era tão falado como hoje. Às vezes, por mais que “a brincadeira”, que o colega fez, doesse, não tínhamos uma solução para isso, não como nos dias atuais.
    O bullying vem de diversas formas e trazem diversas consequências para a vitima, como por exemplo: Causam dores, trazem doenças psicológicas e/ou problemas físicos, se agressão for além do verbo.

    Nos da equipe azul repudiamos qualquer tipo de brincadeira mal intencionada, bullying direto ou indireto. Qualquer tipo que possa machucar alguém no nosso meio acadêmico, não importa o motivo, seja ele:cor, classe, religião, sexo. Bullying é crime, denunciem. 



  • Criatividade e autoria no ciberespaço: o uso do podcast e suas potencialidades pedagógicas


    15.08.2018 19h08m
    Recomendar

    Criatividade e autoria no ciberespaço: O o uso do podcast e suas potencialidades pedagógicas

    Sabendo que os programas em áudio, conhecidos como podcast, são uma forma simples de encontrar quem quer aprender a qualquer hora e em qualquer lugar, optei por produzir uma audio aula de Língua Portuguesa e coloquei aqui para apreciação do público. O conteúdo deste podcast foi produzido durante o curso de especialização lato sensu em Produção de Mídias para a Educação Online oferecido pela Universidade Federal da Bahia – UFBA.



  • Em Santo Amaro, projeto inédito visa diminuir distorção idade/série nas escolas


    15.05.2018 18h42m
    Recomendar

    Objetivando corrigir a distorção idade/série/ano nas escolas municipais, a Prefeitura de Santo Amaro, através da Secretaria de Educação, implantou o projeto AVANÇAR, um novo tempo para aprender. Inédito, o projeto vai diminuir o percentual de estudantes que enfrentam problema com a repetência, a evasão e o abandono escolar.

    De acordo com a assessora pedagógica da Secretaria, Cláudia Gisélia, 52% dos estudantes da rede têm 2 ou mais anos de atraso na vida escolar. “Em levantamento que fizemos ano passado, constatamos que o número é muito grande, então começamos a desenhar o projeto com fim único de promover a aprendizagem e regularizar a situação desses alunos”.

    Por conta disto, durante toda esta terça-feira (15/05), cerca de 80 educadores participaram do primeiro encontro de formação continuada, na Escola Edvaldo Machado. Encantada com metodologia adotada pelo Avançar, a professora Daiane Villas Boas, avaliou o encontro como positivo por proporcionar a pedagogia do encantamento. 

    “Eu pensei que não ia ser nada novo e que ia ouvir muita balela, mas me enganei porque o projeto é inovador e me despertou para ter um olhar sensível em relação ao meu alunado”, afirmou a docente da Língua Inglesa em Oliveira dos Campinhos. Ela acrescenta ainda que não vai ser fácil, “mas eu acredito que vai dar certo”.

    A capacitação foi ministrada pelo Professor Reijaildo Santana, pedagogo especialista em História Social. Para ele, o município dá um passo importante para corrigir um problema que afeta diretamente o desenvolvimento intelectual dos estudantes. “A ideia é que ao final de dois anos a gente consiga reduzir em 100% esse problema corrigindo-o para reintegrar o estudante à idade regular e o município está de parabéns pela seriedade com que se propõe a realizar o projeto”, considerou o pedagogo. 



  • Veja a lista de feriados prolongados em 2018


    02.01.2018 09h05m
    Recomendar

    2018 acaba de começar, mas já dá para programar as folgas do ano. Serão 9 feriados nacionais e 5 pontos facultativos, sem contar os feriados estaduais e municipais como o do Dia da Consciência Negra e aniversários das cidades.

    Apenas dois feriados caem no sábado ou domingo. Quatro cairão em sexta-feiras e 2 em segundas-feiras. Cinco datas de folga serão em terças ou quinta-feiras, criando os chamados feriados emendados.



  • Bonfim de Feira realiza neste domingo o enterro do ano mais animado do Brasil

    Reportagem: Danilo Guerra / Professor Repórter
    31.12.2017 00h37m
    Recomendar

    Os moradores do distrito de Bonfim de Feira (a 35 km de Feira de Santana) têm um jeito singular de se despedir do ano velho. Por lá, há 23 anos é realizado o enterro do ano mais animado do Brasil.

    O evento faz parte da programação oficial do Réveillon Público realizado pela comunidade desde os anos finais da década de 1970, sempre no dia 31 de dezembro, com o tradicional Enterro do ano.

    De acordo com o presidente da Comissão Organizadora Gilmário Moreira da Silva, o popular Gil Boca de Traíra, três elementos básicos não podem faltar nessa celebração: "caixão, defunto (que, na verdade, é um bonfinense que homenageamos) e muita festa", disse em entrevista ao jornalista Danilo Guerra, durante visita à Redação do jornal Folha do Estado.

    Borracheiro: o homenageado do ano

    O velório acontece à meia-noite, depois da celebração de uma missa agendada para começar às 22 horas. O grande homenageado do ano é Borracheiro, um dos membros da comissão que comanda a festa.

    O cortejo fúnebre mais cheio de vida e alegria que já se viu na história brasileira percorrerá as principais ruas do distrito ao som do grupo de sambadores da Terra Nova, Bio, Atanázio, Del e Roque da Viola. Depois, o homenageado é retirado do caixão e um boneco, representando o ano velho, é queimado e enterrado ao som de fogos de artifício e muita música. 

    Boca de Traíra, que foi o primeiro defuto da brincadeira nos idos anos de 1977, acrescenta que é aí que começa o grande show da virada com cantor-revelação Anderson Dias, artista da terra, que caiu no gosto popular ao interpretar grandes sucessos dos mais variados gêneros musicais. 

    Tem novidade na área

    A grande novidade, de acordo com Gil, é que na segunda-feira, dia 1º, acontecerá o enterro dos vivos, uma forma inédita na comunidade para recepcionar o ano novo.

    A programação começa no horário provável das 10 horas da manhã e vai contar com a participação de cantores, pratas da casa, e a alegria contagiante que cada bonfinense carrega em seu DNA. É assim que Bonfim de Feira se despedirá de 2017 e dará boas-vindas a 2018.

    Como chegar lá? 

    Para participar da Réveillon Público em Bonfim de Feira, festa que reúne cerca de 2,5 a 3 mil pessoas, os interessados devem sair de Feira de Santana pela Avenida Rio de Janeiro, sentido BR 116-sul, depois converge para a Estrada do Feijão (BA-052), faz o contorno e pega a BA-499, segue por mais 12km até chegar ao distrito. 

    Esta rodovia, que era alvo de constantes reclamações dos moradores de Bonfim por conta dos muitos buracos, foi recuperada recentemente pelo governo do Estado, depois de várias reportagens do Folha do Estado denunciando o estado de abandono. Com esta intervenção, o acesso ao distrito, agora, está facilitado.



  • Mais de 103 mil candidatos se inscrevem no concurso para professor e coordenador pedagógico do Estado


    28.12.2017 16h03m
    Recomendar

    Mais de 103 mil candidatos se inscreveram no concurso público para professores e coordenadores pedagógicos da rede estadual de ensino, promovido pelo Governo do Estado, por meio das Secretarias da Educação e da Administração. Foram 69.587 inscritos para professores e 33.995 para coordenadores pedagógicos. São ofertadas 3.760 vagas, sendo 3.096 para professores e 664 para coordenadores pedagógicos.

    O secretário da Educação do Estado disse que a procura pelo concurso revela o interesse dos profissionais pela Educação. "Esta é uma área que vem sendo priorizada enquanto política pública pelo governador Rui Costa, que também está investindo em cursos de qualificação e na promoção da carreira dos professores e coordenadores pedagógicos. São esforços empreendidos mesmo em um momento delicado na economia do país. Portanto, isto significará um grande salto para o fortalecimento do eixo pedagógico das escolas e, consequentemente, para a melhoria da Educação".

    Concorrência 

    O cargo de professor padrão P, grau IA Linguagem, com ênfase em Língua Portuguesa, para Salvador, foi o que registrou o maior número de inscritos, 2.006 candidatos. Já o cargo de professor padrão P, Grau IA Ciências Humanas: Filosofia, e para professor padrão P, grau IA Ciências Humanas: Sociologia, ambos para Jacobina, registraram o menor número de inscritos, cinco por disciplina. Para o cargo de coordenador pedagógico Padrão P, Grau IA, Salvador registrou o maior número de inscritos, sendo 6.953 candidatos e Macaúbas registrou o menor número, com 285 inscritos.

    Aplicação das Provas 

    O concurso terá três etapas. As provas objetivas (1ª etapa) e discursivas (2º etapa) serão aplicadas no dia 25/02/2018, para todos os cargos, no período da manhã, nas cidades de Alagoinhas, Amargosa, Barreiras, Bom Jesus da Lapa, Caetité, Eunápolis, Feira de Santana, Ipirá, Irecê, Itaberaba, Itabuna, Itapetinga, Jacobina, Juazeiro, Jequié, Macaúbas, Paulo Afonso, Ribeira do Pombal, Salvador, Santa Maria da Vitória, Seabra, Serrinha, Santo Antônio de Jesus, Senhor do Bonfim, Teixeira de Freitas, Valença e Vitória da Conquista. Somente será corrigida a prova discursiva dos candidatos habilitados e melhores classificados nas provas objetivas. A terceira etapa é a prova de títulos, para fins de pontuação dos candidatos habilitados na prova discursiva. 

    Confira o número de inscritos por município: 

    Professor

    Coordenador Pedagógico 

    Fonte: Secretaria de Educação



  • Escola em Bonfim de Feira faz evento de saúde pública


    15.11.2017 15h55m
    Recomendar

    Nesta quinta-feira (16), acontece no Colégio Cupertino de Lacerda, no distrito de Bonfim de Feira, o evento Saúde em foco, que começa 8h30.

    Serão oferecidos à população diversos serviços, como:

    * Aferição de pressão;
    * Teste de glicemia;
    * Palestras:
    - Saúde da mulher e do homem
    - Saúde Mental.
    - Hipertensão e Diabetes.

    Durante o evento ocorre também um Bazar Solidário para arrecadar fundos para a comemoração do encerramento do ano letivo do colégio estadual.

    A diretora, Neide Rodrigues, professores e alunos convidam toda a comunidade para participar. 



  • Buraco do Joaquim, nos Olhos D’águas das Moças: a estratégia para fugir dos castigos da escravidão em Feira de Santana


    03.11.2017 12h01m
    Recomendar

    Com o tema “Fazendo Memória e Re-conhecendo a/s história/s do nosso lugar”, estudantes e professores da Escola Municipal Crispiniano Ferreira da Silva, localizada na comunidade Olhos D’Água das Moças, a 2km da Matinha, região reconhecida como remanescente quilombola, realizaram pesquisa sobre a importância do Buraco do Joaquim como rota de fuga utilizada por negros para se livrarem do castigo da escravidão em Feira de Santana.

    A “descoberta” da existência de um lugar cujas características reportou estudantes e professores aos tempos da escravidão os estimulou a saber mais sobre o mesmo e a selecioná-lo como espaço a ser visibilizado dentro da proposta do Projeto “Feira Que Te Quero Ver”, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Educação, que este ano priorizou o patrimônio histórico-cultural local para valorizar o universo onde a escola está inserida.

    A visita ao “Buraco do Joaquim” contou com o apoio do Ten. Cel. José Alberto Silva Junior, comandante do 2° GMB e do Secretário de Meio ambiente Sergio Carneiro. O Suporte dado pelo Corpo de Bombeiros e pela Secretaria de Meio Ambiente tornou possível adentrar no interior do buraco e passar pela experiência sensorial que fez pensar nas diferentes possibilidades dos sujeitos que por ali passaram em tempos distantes. 

    No interior do referido buraco existem passagens que dão acesso a outros lugares, porém, por recomendação do corpo de bombeiros, para garantir a segurança dos estudantes, dos professores, estagiários e curiosos das proximidades que também resolveram entrar para conhecer o ambiente quase lendário, a visita ficou limitada a um espaço mais restrito e próximo à entrada.

    Com o suporte dos referidos órgãos, que com lanternas especiais iluminaram o local ajudando inclusive a afastar os morcegos, os atuais moradores do espaço, e contribuíram para que professores e estudantes dialogassem um pouco no local sobre as possíveis dificuldades enfrentadas por quem, em fuga, queria livrar-se dos castigos da escravidão e conquistar a tão sonhada liberdade passando por aquele lugar. 

    Apresentação na escola 

    As experiências e descobertas vivenciadas no Buraco do Joaquim foram socializadas na própria escola com a apresentação do projeto. As atividades contaram com apoio da Gestora, profa. Irlete Fontes, da Coordenadora profa. Adriana Peixinho e dos professores Edivan Maia Railda Neves.

    Já a mesa de honra foi composta por estudantes do 8º e 9º ano, tanto no matutino quanto no Vespertino. Isto para evidenciar a importância do protagonismo dos educandos enquanto sujeitos e autores da história. “Além de nos ajudar a saber quem somos, conhecer melhor o nosso passado, nos faz ter orgulho de nós mesmo e de nossa origem”, afirmou a estudante Núbia. “O projeto nos ajudou a conhecer histórias de nosso passado que estavam esquecidas”, completou.

    O silêncio que marcou a leitura do texto poético produzido pelos discentes foi entendido como resultado de uma aprendizagem significativa cujo alcance transcende o momento presente. Tendo priorizado a realidade local, a visibilização de lugares e sujeitos do cotidiano valorizou ou contribuiu para despertar o sentimento de pertença nas pessoas da localidade e não apenas dos estudantes. 

    Em meio a educadores emocionados e estudantes felizes com o resultado do trabalho, a escola aproveitou o ensejo para ratificar a importância da história oral para o nosso aprendizado e reafirmá-la como herança africana. 

    O projeto concorre na categoria vídeo do Feira que te quero Ver. A cerimônia de premiação dos trabalhos mais votados está prevista para a primeira quinzena deste mês. 



  • De unidade de ensino a abrigo de marginais: o colapso do colégio Carlos Valadares em Bonfim de Feira

    Reportagem: Danilo Guerra / Fotos: Enviadas por leitores-internautas
    03.11.2017 09h36m
    Recomendar

    Inaugurada na década de 40, período em que o mundo enfrentou os ardis da segunda guerra mundial, o Colégio Estadual Dr. Carlos Valadares, primeira escola pública do distrito de Bonfim de Feira, está em estado de completa ruína. Extinto em 29 de novembro do ano passado pelo Governo do Estado da Bahia, o prédio, que antes servia como espaço de formação educacional e descoberta de vocações profissionais, virou abrigo de marginais, usuários de drogas e moradores de rua.

    Quem olha para o colégio do meio hoje (o prédio é ladeado por duas outras escolas: Cupertino Lacerda e Álvaro Boaventura, esta recém-reformada pelo administração municipal, mas aquela também condenada a ruir) e contempla o estado deplorável em que ela se encontra, sente nostalgia de um tempo que a escola era viva e possibilitadora da realização de sonhos.

    Destruíram o encanto

    A paisagem já não encanta mais. Vidros quebrados, dejetos fecais por todos os lados e um odor horrendo dão sinais de que o comando agora é de “pivetes”, que vagam pelo espaço tomado pelo matagal para se drogarem além de, segundo relato de moradores, cometerem atos libidinosos. 

    Um funcionário do Cupertino, que não quis ser identificado, informou que têm vândalos q jogam pedras no telhado das salas durante a aula e que já viu eles fumando drogas dentro do prédio público. “Faz 15 dias que um deles pulou o muro deste colégio e ameaçou um aluno”, afirmou. 

    “Tem um rapaz que é usuário de drogas e fica lá no Valadares. Um dia ele pulou o muro do Cupertino e entrou na sala do primeiro ano. Está um perigo, a situação está insustentável. Estamos com medo de a qualquer momento eles invadirem a escola e nos tornar reféns desse processo. Tá difícil pra nós professores”, informou outra educadora que também é ex-estudante da escola degradada e ensina nas escolas vizinhas. 

    A revolta popular

    As queixas são crescentes na comunidade que assiste com o sentimento de revolta a decadência do prédio escolar que abriga um legado grande da história da educação daquele distrito. “É uma tristeza ver a degradação do patrimônio público”, afirmou um morador, autor das fotos que ilustra essa reportagem, que também terá sua identidade preservada. 

    Muitos professores também entraram em contato com o Folha do Estado para denunciar o descontentamento com o fechamento da unidade de ensino, que já chegou a abrigar salas de aula com 35 a 40 alunos em turnos diferentes. “Estudei no Carlos Valadares, o antigo primário, que tinha o nome de Escola Dr. Sabino Silva, e fico indignada com o descaso do Governo do Estado”, relatou uma professora que estudou lá na década de 50. 

    O caso tá tão grave que professores das escolas ladeadas já reclamam dos novos vizinhos que, como se não bastasse a prática das ações citadas acima, ainda “sobem no muro e ficam perturbado os alunos que estão em aula”, afirmou uma professora (identidade foi preservada) que na década de 70 também foi estudante desta escola.

    Sugestões para recomeçar 

    A sugestão dos funcionários, no entanto, é que o posto policial, que hoje funciona em um microespaço anexo ao antigo posto de saúde do distrito, passe a funcionar neste espaço, já que é uma instituição também gerida pelo Estado. Além disso, a comunidade também sugere que se crie ali um espaço para eventos juntamente com uma área de lazer, assim supriria uma grande lacuna na comunidade. 

    “Há uma necessidade que temos de um local para fazer encontros culturais, intercâmbio social, hospedagens de policias em festas de grande porte e de componente das bandas que aguardam até a festa começar e como o Valadares tem uma estrutura muito ampla, poderia ser reformado para atender uma dessas necessidades”. 

    O que diz o Governo

    Diante do caos, a nossa equipe de reportagem indagou a Secretaria de Educação do Estado sobre a situação da escola e que medidas seriam tomadas para evitar que a comunidade continuasse vulnerável à ação dos marginais uma vez que a comunidade, sobretudo estudantil, não suporta mais a situação crítica que enfrenta. 

    Em reposta, a assessoria da Secretaria informou apenas que “está elaborando um projeto de ampliação e levantamento dos serviços para reforma do prédio, para voltar a funcionar como unidade de ensino”, mas não informou quando isto será realizado. As atividades do Valadares foram encerradas em 2015. Os 54 estudantes foram transferidos para rede municipal e a unidade escolar foi extinta em 29 de novembro de 2016.



Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia